Sobre ser autodidata

Impossível começar a falar sobre o assunto sem ser brutalmente honesto: é muito difícil ser autodidata.

Hoje, basta um computador com internet para poder se enfiar nos self-studies, mesmo com todo o material do mundo disponível (seja através dos MOOCs [CourseraedX] que te dão acesso à aulas das melhores universidades do mundo ou dos reservatórios russos de livros com um potencial praticamente ilimitado) eu ainda sustento que é muito difícil ser autodidata.

O problema não é a falta de conteúdo. Hoje, claramente as dificuldades são incomparáveis com as dificuldades de 30 anos atrás, eu mal consigo imaginar como alguém conseguia bancar a ideia de ser autodidata antes da internet, tendo que ir garimpar materiais em bibliotecas, livrarias e sebos.

cabe num pen-drive
é assim que as pessoas faziam?

Além disso, cabe uma reflexão: na faculdade, tudo o que você aprendeu veio estritamente daquilo visto em aulas expositivas e bibliografia? A experiência de aprender também tem um aspecto de socialização que é inegável: conhecer colegas, conversar a respeito das matérias, ouvir as dúvidas que outras pessoas tiveram assim como as respostas. Tudo isso é essencial para o aprendizado. Na verdade, é tão importante que as plataformas de ensino online tentam simular alguns desses aspectos com os fóruns de discussão.

Provas, grades horárias definidas por especialistas e titulações são (ainda que nem sempre) ferramentas que auxiliam muito o aluno. A falta de coesão curricular e de objetivo (que eu quero explorar um pouco mais nas dicas) podem jogar meses de estudo fora e frustrar completamente alguém que está a fim de estudar uma coisa nova. Mas ao mesmo tempo, o engessamento do ensino institucionalizado também pode matar todo o seu tesão por estudar alguma coisa.

quem acredita em citações da internet?

Ser autodidata é difícil porque não existe diploma (apesar de existirem certificados), não existe uma garantia de que você está estudando aquilo que vai ser útil para você, e também não existe a mentalidade do mínimo esforço pelo certificado, o que você aprendeu você aprendeu.

Minha intenção não é defender um tipo de aprendizado no lugar do outro. Acho que o ensino presencial e institucionalizado e o auto-ensino feito à distância podem e devem complementar um ao outro. Eu acredito tanto nisso que eu levo a minha formação nas duas frentes, ao mesmo tempo. Minha formação em linguística foi bastante formal, na faculdade de letras, mas meus estudos em estatística, lógica e programação foram tocados de modo bastante (mas não totalmente) autônomo.

A importância do autodidatismo vai crescer muito nos próximos anos. Acredito que seja fundamental começar a se preparar pra isso: escolher um tópico legal e ir atrás de cursos.

Dito isso, vou listar algumas dicas que eu gostaria de ter lido quando eu fui começar a estudar coisas por conta.

  • Tenha um foco: se é um concurso, uma prova, um projeto ou um trampo, foque os estudos. A variedade de material é tanta que se você adentrar sem algum foco, é bem capaz de ficar patinando. Descobrir coisas novas, mas ser ir a fundo em nenhuma delas, pode ser interessante, mas a chance de você se frustrar e não conseguir levar nada adiante é muito grande.
  • Tenha tempo e ritmo: lembra de todas aquelas dicas que te davam na escola sobre como estudar pro vestibular? Elas se aplicam aqui – ao quadrado! Não adianta tocar os self-studies de qualquer jeito, Concentração é fundamental. Reserve umas horas só para estudar. Se os certificados de cursos online ainda não valem muita coisa no mundo profissional (mas isso deve mudar!) o que tem que ficar claro é isso: o importante é dominar o conteúdo. Para isso não dá pra correr: Não dá pra fazer um curso em uma maratona de um dia de estudo, tem que ter um bom ritmo, aprendendo e treinando um pouco ao longo de semanas.
  • Tenha curiosidade: Acho que a parte mais legal de conduzir os self-studies é que se um assunto te interessa, você pausa a aula, vai atrás da bibliografia, compra/baixa 3 livros sobre o assunto, abre 6 abas com definições, artigos e matérias. O poder disso é impressionante, o controle sobre a sua própria formação finalmente está com você.
  • Tenha um cronograma: Os cursos bem estruturados já oferecem um cronograma sugerido, mas sempre é bom você ter o seu, encaixado na sua própria rotina, se impondo o tempo para terminar um curso e partir pro próximo.

Nos próximos posts, vou exemplificar melhor como estudo cada um dos temas, com links e comentários para ajudar em específico quem quer estudar linguística computacional e programação.

6 comentários em “Sobre ser autodidata”

  1. Olá Bruno. Muito bom MESMO seu blog. Muito bem escrito e sana algumas duvidas que eu carregava comigo a um bom tempo. A muitos anos eu venho tentando aprender programação. Mas como cursava uma área não relacionada (Biologia) nunca levei meus estudos a sério.
    Ainda não sei muito, mas creio que seguindo suas dicas devo melhorar aos poucos.

    Obrigado

    Curtir

  2. Oi Bruno,
    Adorei o seu blog e esse post resume bem como me sinto atualmente: com muita dificuldade de definir um ritmo de estudos e controlar a ansiedade em relação ao tempo de aprendizado. Ter um blog como o seu como referência certamente vai me ajudar muito. Obrigada!

    Curtir

Deixe uma resposta para JACQUELINE BRIZIDA Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s